MUSICAL E MINISSÉRIE VÃO HOMENAGEAR MAMONAS ASSASSINAS
  • 1.136
  • 0
  • 02/03/2016 
  • redacao
Integrantes do Mamonas Assassinas faleceram em queda de avião

Integrantes do Mamonas Assassinas faleceram em queda de avião

Há 20 anos, o Brasil perdeu uma das bandas mais irreverentes do seu cenário musical. Cinco jovens da periferia paulista se reuniram, na década de 1990, para formar o grupo Mamonas Assassinas. Com letras cheias de humor (e  toques de preconceitos), eles conquistaram milhares de fãs brasileiros consolidando um sucesso meteórico. No entanto, um trágico acidente de avião, na Serra da Cantareira, no dia 2 de março de 1996, matou todos os integrantes da banda.

Para marcar as  décadas de perda e homenagear a memória dos Mamonas Assassinas, duas iniciativas artísticas vão resgatar a trajetória musical de Dinho,  Bento Hinoto, Júlio Rasec e os irmãos Samuel e Sérgio Reoli. Primeiro, um musical dirigido pelo paulista José Possi Neto. Depois, uma minissérie televisiva com previsão de estreia em julho na Record.

No teatro

Possi Neto conta que a ideia  de realizar  O Musical Mamonas foi do trio de produtores Rose Dalney, Márcio Sam e Túlio Rivadávia. O espetáculo, que estreia no dia 11, no Teatro Raul Cortez, em São Paulo, tem texto assinado por Walter Daguerre, direção musical de Miguel Briamonte e coreografia de Vanessa Guillen.  No mês de outubro, todo o elenco aterrissa em Salvador para realizar apresentações no palco principal do Teatro Castro Alves (TCA).

“Acho que eles tinham uma linguagem tão brasileira com as paródias e o tom de humor! Faço uma comparação com a chanchada bacante. Os Mamonas Assassinas foram um fenômeno de periferia paulista. Vieram de Guarulhos e deram certo. Quando recebi o texto, que ainda não estava pronto, e li a primeira cena, achei aquela situação toda muito inteligente, fiz algumas propostas e a coisa andou”, comenta o diretor para A TARDE.

Ele  detalha que, depois de três semanas de audições, foram escolhidos os atores que darão vida ao grupo: Ruy Brissac (o vocalista Dinho), Adriano Tunes (o tecladista Julio), Yudi Tamashiro (o guitarrista Bento), Elcio Bonazzi (o baixista Samuel) e Arthur Ienzura (o baterista Sérgio).

Além disso, mais outros dez intérpretes integram o ensemble da peça. A atriz  baiana Vanessa Mello, que viveu a Dona Baratinha no musical Amor Barato, do diretor Fábio Espírito Santo, integra o elenco.

Sobre o roteiro musical, Possi Neto esclarece que, além de algumas canções criadas especialmente para a peça, como uma versão de New York, New York, também serão lembradas bandas que foram modelos para o grupo.

“São medleys que contam a trajetória da banda através das músicas deles e de outros grupos que foram influências para os rapazes, como Titãs, Capital Inicial, Engenheiros do Hawaii,   e Guns N’ Roses”, aponta.

Na televisão

Os  garotos também serão lembrados num produto televisivo de cinco episódios encomendados à produtora de conteúdo Endemol Brasil pela Record.  Com texto de Carlos Lombardi e  direção de Leonardo Miranda,  Mamonas Assassinas: A Série terá o mesmo elenco principal que o musical de Possi.

Apresentada para a imprensa oficialmente nesta semana, a série tem estreia agendada para julho, mas sem data oficial definida pela emissora. O roteiro acompanhará os primeiros passos do grupo, na cidade de Guarulhos, até a tragédia que aconteceu quando os rapazes saíam de Brasília em direção a São Paulo.

A banda, formada em 1990 sob o título de Utopia, vendeu, em pouco tempo de carreira,  mais de três milhões de discos. Levantamento feito pelo Escritório Central de Arrecadação e Distribuição (Ecad) apresenta que, de 2004 até 2015, as canções mais tocadas da banda  foram Pelados em Santos, Robocop Gay e Vira-vira.

“Os  Mamonas  usaram desse ícone da identidade brasileira: a capacidade de fazer piada com a  própria desgraça”,  afirma José Possi Neto.