CORPO DE SOCIALITE HELOÍSA FAISSOL FOI ACHADO PELO FILHO; ELA DEIXA CARTA
  • 571
  • 0
  • 04/02/2017 
  • redacao

A socialite e cantora de funk Heloísa Faissol, 46 anos, achada morta em apartamento no Rio de Janeiro, deixou uma carta para a família. Segundo a delegada Cristiana Bento, da 13ª Delegacia, a carta já foi entregue a familiares de Heloísa e o homicídio é a linha “menos provável” de investigação

 

SOCIALIT

“Parece que foi suicídio, mas tudo vai depender do laudo. Pode ter sido um ataque cardíaco, por exemplo. A casa estava intacta. Há mesmo uma carta, eu a li, mas não vou falar sobre isso. Foi entregue à família, que está muito abalada”, disse ela ao Uol.

O filho da socialite, José Arthur Gerdes, 20 anos, encontrou o corpo da mãe no banheiro. “O corpo já estava em fase avançada de decomposição. Ele chamou a polícia por volta de 16h30 de quinta-feira”, explica. “Há indícios de que ela tenha mesmo morrido no domingo. Desde então, o filho ligava e ela não atendia. Daí o rapaz foi até lá na quinta-feira. Ela morava sozinha e vi as mensagens dele no celular dela. Tinha muitos recados dele”.

Heloísa participou do reality show A Fazenda em 2014. O corpo dela será cremado no sábado, às 11h, no Memorial do Carmo, Rio de Janeiro.

Luto
A irmã de Heloísa, Claudia Faissol, disse ao Ego que a família está muito abalada. “É muito triste, a gente nem consegue dizer o que se passou, só sabe que ela faleceu. A Helô não estava atendendo telefone há dois dias então pedimos ao José Arthur (filho dela) para ir até lá enquanto eu procurava uma chave da casa dela. Eu não estava achando e então falei para ele quebrar a porta para entrar, mas não tinha mais tempo”, contou.

Claudia disse que não sabia se a irmã estava com um quadro de depressão, mas que artistas como ela sempre têm uma “angústia” dentro de si. “Ela parecia que estava sempre sem muito ânimo, mas não sei dizer como que acaba numa história dessas. Quando a pessoa está muito deprimida não sai de casa… Eu não sei dizer. Prefiro não comentar porque eu ainda não sei o que aconteceu. Só sei que tentamos fazer o melhor que podíamos. Artista sempre tem alguma angústia própria que a gente não consegue entender”, avaliou.

Ela ainda lamentou que o sobrinho tenha passado pela situação de encontrar a mãe sem vida. “Coitado do filho que teve que ver… Ela sempre foi muito diferente de todo mundo. Quando falávamos para ir por aqui ou ali, ela via como cobrança, mas era coisa de família que tenta alertar”, diz.

Segundo Claudia, o pai, o dentista Olympio Faissol, 86 anos, foi o primeiro a saber da morte depois do filho de Heloísa. “Para a gente foi uma perda muito grande. Ela era engraçada, a nossa alegria. Não tem palavras para definir”.