DEMISSÃO DE 300 SERVIDORES EM ILHÉUS É ILEGAL, DECIDE MPE
  • 521
  • 0
  • 16/02/2019 
  • redacao

 

Agora a decisão está nas mãos do presidente do desembargador Gesivaldo Britto (foto).

O Ministério Público do Estado da Bahia recomenda ao Tribunal de Justiça do Estado que acate pedido do Sindicato Estadual dos Guardas Civis e suspenda os efeitos da decisão do juiz Alex Venícius, da 1ª Vara da Fazenda Pública de Ilhéus, que determinou o afastamento de todos os servidores admitidos na Prefeitura, sem concurso público, no período de 5 de outubro de 1983 a 5 de outubro de 1988. A decisão também afetou funcionários contratados por meio de seleção simplificada. Agora a decisão está nas mãos do presidente do desembargador Gesivaldo Britto (foto). No parecer, o Ministério Público opinou pela suspensão da sentença até que o recurso seja analisado por uma instância superior. Desde janeiro, centenas de trabalhadores tentam reverter, por meio dos seus sindicatos representativos, a decisão do juiz e o decreto assinado pelo prefeito Mário Alexandre, que resultou na demissão em massa. (Rede Brasil de Noticias)