DANIELA MERCURY ABRE ESPAÇO PARA ALEGRIA NO FESTIVAL DA VIRADA SALVADOR
  • 86
  • 0
  • 01/01/2018 
  • Redação

 

 

Neste primeiro dia de 2018, a alegria foi a principal moeda de troca entre Daniela Mercury e o público, que está longe de “arredar o pé” da arena que leva o nome da cantora, montada na Orla da Boca do Rio, para a celebração da chegada de 2018, no Festival Virada Salvador. Com o novo sucesso “Banzeiro”, a rainha do axé não deixou o povo parar de dançar, com o samba-reggae tradicional, acrescido de todo o caldo cultural que marca as três décadas de arteira da artista, em mais uma edição do projeto Pôr do Som.

Sem tirar os olhos do palco, a aposentada Nilzete Marques, 68, diz amar a música da cantora, mas afirma que a maior estrela sob os holofotes é Claudio Henrique, seu neto, que compõe o time de percussionistas do grupo Quabales, que acompanha a madrinha da arena durante a apresentação desta noite. “Ele está lá em cima e sempre de olho na gente. É um ótimo menino e tem muito talento artístico. É a estrela da família”, afirma a vovó coruja.

Tocando galope, reggae, funk, samba, rock e axé, Daniela confirmou no palco o motivo de Salvador ter sido reconhecida como Cidade da Música pela Unesco. Passeando de Carmen Miranda a Caetano, Gil e Brown, a artista saudou a terra natal, os orixás e brindou a chegada do ano novo pedindo paz a Oxalá, avisando que já já decola a máquina elétrica de Dodô e Osmar.

Pela primeira vez em Salvador e estreando na pipoca de Daniela, a estudante carioca Ana Cláudia Fidalgo de Moura, 53, chegou para o réveillon e só retorna à Belo Horizonte (MG), onde cursa Letras, depois do Carnaval. “Quero aproveitar toda essa energia de vocês. Já curto os quatro dias de festa e acho que estou preparada para a maratona do Carnaval. Só vou embora depois da folia de Momo, com os pés calejados e a alma lavada”, diz.

Há 19 anos, a cantora mantém o projeto Pôr do Som. Neste ano, com dois convidados especiais: Balé Folclórico e a banda Quabales. “Esse é um espaço conquistado com muito esforço. São 19 anos, e alguns foram muito difíceis de realizar, mas conseguimos sempre dando um jeitinho de fazer esse show, que já virou uma tradição em nossa cidade. É um show especial, preparado para esse momento, para que possamos nos reconectar com nossas origens para começar o ano cheio de axé e energia positiva”, observa a cantora.