GRUPO ESCOLAR JURACY MAGALHÃES DE HOJE /Por Bárbara Lemos Freire
  • 194
  • 0
  • 22/08/2018 
  • redacao

 

Segundo o saudoso jornalista David Nasser, a ingratidão é a doença da memória e, neste particular, o brasileiro é um doente. Por essa razão,  causa  pesar narrar aos marauenses a trajetória do  antigo Grupo Escolar Juracy Magalhães desta cidade de Maraú,  inaugurado em 21 de setembro de 1934. Hoje com os principais formadores de idéia que são a televisão e a internet, os jovens não encontram tempo para rever o passado, embora devessem debruçar-se sobre esse fato, a fim de passar a limpo o histórico do citado Grupo Escolar e evitar repetição de erros no futuro.

Em visita ao referido Grupo Escolar, senti um choque. Já não havia mais o quadro do Mestre na parede, e a própria ausência dos móveis da minha adolescência fazia aquele espaço inteiramente diferente do que sempre conheci, e conservava na memória.  Mas nada disse.  Procurando ignorar as modificações, refiz, uma a uma, cada minúcia daquela escola tão amada, era como se estivesse presenciando um atentado à memória da minha juventude, à memória dos meus professores.

O que me deixou perplexa foram as construções erguidas numa pequena área, na parte do fundo, que segue até a beira de um barranco de onde se descortina o cemitério local. Jamais imaginei que uma escola com um potencial de ensino desde o meado da década de 30 fosse desativada, e a parte interna do prédio estivesse totalmente desfigurada, para ser inserido o Centro Territorial de Educação Profissional do Litoral Sul (CETEP), para ensino de estudantes da sede e de localidades vizinhas, restando apenas a fachada sem as nuanças do passado.  Hoje com pintura exótica.

Em resumo: Causou-me estranheza o critério escolhido entre o prefeito da época de não haver doado à Secretaria Estadual de Educação vasta área, com vista panorâmica, no início da cidade, para execução daquela obra!

 Como se vê, a consciência humana começa a desintegrar-se.

Bárbara Lemos Freire/Ex-aluna