PREFEITO DE URUÇUCA LIQUIDA CONSIGNADO NÃO REPASSADO A BANCOS, NO MANDATO ANTERIOR, COM VERBA DO ATUAL
  • 496
  • 1
  • 23/01/2020 
  • redacao

(Por Heraldo Santana)

O prefeito de Uruçuca, Moacyr Leite Júnior, autorizou débito em conta, de valores não repassados de consignados a Bancos, no seu último ano de governo, 2012, do segundo mandato.

No mandato anterior, o prefeito deixou de repassar a alguns Bancos, valores descontados de funcionários, a título de consignados. Ocorre que a falta desses repasses ocasionaram a inclusão, por inadimplência dos funcionários, no sistema SPC/SERASA, inclusive, alguns deles ainda constando como negativados e sem acesso a créditos.

Então, o prefeito, nesta nova gestão, resolveu liquidar os valores não repassados aos Bancos, em especial a BV Financeira e Bradesco, debitando os valores na conta de recebimentos de recursos federais. Pergunta-se: Porquê debitado numa conta neste novo governo? Onde foram parar os valores descontados dos salários dos servidores, naquela época? Onde estão os vereadores do município omissos a essa barbárie nas contras públicas?

Esta é apenas uma mostra do que é realizado no mandato do atual prefeito. A primeira providência ao tomar posse, foi construir uma mansão, de sua propriedade, junto ao estádio de futebol.

FALTA DE TRANSPARÊNCIA – Neste terceiro mandato, o prefeito extrapolou, na falta de transparência, no uso de recursos públicos. O contribuinte não encontra, nas obras, painéis com informações sobre a origem dos recursos, valores aplicados, construtor da obra e tempo de conclusão. Uma constante neste mandato, burlando a lei de acesso às informações.

POLICLINICA REGIONAL – O prefeito, por questões políticas, não aderiu ao Consórcio da Policlínica Regional, deixando Uruçuca ser a única cidade do sul da Bahia fora do sistema, deixando vários pacientes desassistidos na saúde.

COMPRA DE AMBULÂNCIAS – Através do Pregão 025/2018, foi vencedora a empresa Brione Veículos Ltda, na qual foi proposta a aquisição de cinco ambulâncias ao custo total de R$ 399.500,00. O grande detalhe é que essas supostas ambulâncias, nunca apareceram no município.

OMISSÃO DOS VEREADORES – Infelizmente, esta é uma rotina dos vereadores, em nossa região, recebendo benesses do executivo, eles ficam desautorizados a fazer fiscalizações das aplicações de recursos e quando a situação de desvios se torna pública, fazem ouvidos moucos e emudecem. Para não perderem as regalias recebidas.