ENXAQUECA OFTÁLMICA PROVOCA DORES E ATÉ PERDA DA VISÃO
  • 764
  • 0
  • 09/12/2014 
  • Redação

cab

Popularmente conhecida como dor de cabeça, a cefaleia apesar de parecer uma doença simples, é tão complexa que já se tornou objeto de estudo de várias especialidades, entre as quais a neurologia, oftalmologia, psicologia, entre outros. Por esse motivo, é preciso atenção para alguns detalhes que fazem a diferença na hora de procurar ajuda médica, principalmente quando ela se apresenta de forma intensa e constante. A enxaqueca oftálmica, por exemplo, também chamada de Migrânea Retiniana, é uma forma de enxaqueca complicada em que há perda momentânea da visão ou de parte dela, geralmente em um dos olhos, e que pode durar minutos, horas, dias, ou eventualmente tornar-se perene. A teoria mais aceita para o seu surgimento, de acordo com o neuro-oftalmologista Dr. Laudo Costa Júnior (CRM 17640), do Hospital DayHORC, é de que ocorre um fenômeno de contração de um vaso sanguíneo seguido de perda do abastecimento sanguíneo de parte do tecido retiniano. “Importante não confundir com a “aura” visual, que é um fenômeno de visão de flashes luminosos e embaralhamento da visão periférica, geralmente dos lados da visão, que vai subindo e contornando o campo visual durante uns 5 a 10 minutos, quando ao final dá lugar a uma cefaleia forte com restauração da visão”, completou. E acrescenta que pelo fato dos sintomas visuais precederem a dor, isto serve de alerta para o paciente evitar a automedicação e procurar ajuda médica. “Os sintomas são claros: perda de parte da visão, na

cabe

 forma de uma mancha escura, durante uma crise de cefaleia intensa. Mas ela pode também se apresentar de forma complicada, inclusive com paralisia de membros ou do movimento dos olhos e dores abdominais”. Tanto o oftalmologista quanto o neurologista devem estar envolvidos no diagnóstico, inclusive para descartar outras formas de perda de visão e cefaleia, assim orienta o especialista. E informa que o diagnóstico é eminentemente clínico, pela história contada pelo paciente. “Quanto ao tratamento, segue as vias do comum para a enxaqueca, adotando hábitos de vida saudáveis, como por exemplo, evitando alimentos específicos, álcool, cigarro, estresse, drogas e perfumes, que variam conforme o indivíduo, e também fazendo uso de medicamentos que devem ser tomados diariamente de maneira preventiva”, finalizou Dr. Laudo Costa Júnior, alertando os pacientes a sempre procurarem um oftalmologista ou neurologista ao identificar sintomas semelhantes.