DOLEIRO ALBERTO YOUSSEF SINALIZA ACORDO DE DELAÇÃO PREMIADA
  • 1.713
  • 0
  • 10/08/2014 
  • redacao
  Alberto Youssef quer fazer um acordo de delação premiada para se livrar da cadeia o quanto antes.

Alberto Youssef quer fazer um acordo de delação premiada para se livrar da cadeia o quanto antes.

O doleiro Alberto Youssef, preso na operação da Polícia Federal batizada de “Lava Jato”, enviou sinais ao Ministério Público e à Justiça de que quer fazer um acordo de delação premiada para se livrar da cadeia o quanto antes.
A lei brasileira prevê redução de pena para colaboradores. Se o que revelar à Justiça ajudar a esclarecer crimes mais graves, Youssef pode até ficar livre da prisão. Foi o que aconteceu em 2007, quando o doleiro foi detido pela primeira vez e escapou entregando uma parte da sua clientela.
A conclusão do doleiro, e da maioria dos advogados que atua na Operação Lava Jato, é que não há defesa técnica possível contra as provas que a Polícia Federal e os procuradores juntaram contra ele, Paulo Roberto Costa (ex-diretor de abastecimento da Petrobras) e cerca de 15 empreiteiras.
Restam duas alternativas para a defesa, segundo cinco advogados que atuam no caso ouvidos pelo jornal Folha de S. Paulo sob condição de anonimato: tentar tirar o juiz Sergio Moro do julgamento ou tirar os processos do Paraná, onde a Lava Jato foi deflagrada.
O doleiro foi preso em 17 de março pela PF na Operação Lava Jato, sob a acusação de comandar um esquema de lavagem de dinheiro que movimentou R$ 10 bilhões em quatro anos e tinha ramificações na Petrobras, no Ministério da Saúde e em partidos como PT, PP e SDD.
O doleiro dezesseis quilos mais magro, resultado dos quase cinco meses preso, réu em 12 processos, nos quais deve ser condenado a mais de cem anos de prisão, e com um pedido de divórcio da mulher.