MINISTÉRIO PÚBLICO OFERECE NOVA DENÚNCIA CONTRA LULA
  • 2.278
  • 0
  • 10/10/2016 
  • Redação
De acordo com as investigações, a participação de Lula teria ocorrido em duas fases:

De acordo com as investigações, a participação de Lula teria ocorrido em duas fases:

O Ministério Público Federal (MPF) ofereceu, nesta segunda-feira (10), nova denúncia contra o ex-presidente Lula. Também foram denunciados o empresário Marcelo Odebrecht e outras nove pessoas. Segundo o MPF, Lula teria atuado junto ao Banco Nacional de Desenvolvimento (BNDES) para favorecer a Odebrecht em empréstimos para obras de engenharia realizadas em Angola. Em retribuição, ainda de acordo com as investigações, a empreiteira teria pago aos envolvidos valores que, atualizados, chegam a R$ 30 milhões.

De acordo com as investigações, a participação de Lula teria ocorrido em duas fases: na primeira, entre 2008 e 2010, quando ainda era presidente, teria havido corrupção passiva; na segunda, entre 2011 e 2015, já sem mandato, Lula teria cometido tráfico de influência. A denúncia também pede a condenação do ex-presidente por organização criminosa e lavagem de dinheiro, crime que, segundo os investigadores, foi cometido 44 vezes.

O Ministério Público destaca como exemplo de lavagem de dinheiro um suposto esquema envolvendo a empresa Exergia Brasil, criada em 2009 por Taiguara Rodrigues dos Santos, sobrinho de Lula e que também foi denunciado. O MPF aponta ainda que a empresa de Taiguara, mesmo não tendo experiência no ramo de engenharia, teria fechado 17 contratos para prestação de serviços “complexos” para a Odebrecht em Angola.

Ainda segundo a denúncia, Lula teria supervisionado a captação de contratos por Taiguara junto à Odebrecht, e aconselhado o sobrinho sobre os negócios. Lula teria ainda o apresentado a empresários e autoridades estrangeiras. Como prova no suposto esquema, os investigadores afirmam que apresentaram à Justiça registros da participação do ex-presidente em reunião da Diretoria de Administração do BNDES, em 2010.

Segundo o MPF, Lula teria dado orientações para que o banco organizasse ações para o período entre 2011 e 2014, quando ele já não teria mais mandato. Lula também é réu em dois processos e investigado em dois inquéritos que tramitam no Supremo Tribunal Federal, todos relacionados à Operação Lava Jato. (JB)