UM MORRE E DEZ SÃO PRESOS EM OPERAÇÃO POLICIAL CONTRA O BONDE DO MALUCO
  • 174
  • 0
  • 19/08/2017 
  • Redação

André (camisa cinza) seria o braço direito do líder (Foto: Alberto Maraux/SSP)

Dez pessoas foram presas e outra morreu durante a operação Balão Mágico, da Força-Tarefa da Secretaria de Segurança Pública (SSP) que combate o tráfico de drogas na Região Metropolitana de Salvador (RMS), nesta sexta-feira (18). Dois dos presos estavam na cidade de Aracaju (SE), quando foram capturados. Foram apreendidos R$ 85 mil em dinheiro, drogas, armas e carros. A polícia ainda procura outros integrantes da quadrilha, ligada à facção criminosa Bonde do Maluco (BDM).

Segundo o diretor do Departamentos de Repressão e Combate ao Crime Organizado (Draco), Marcelo Sansão, o grupo atuava nos municípios de Simões Filho e Camaçari, na RMS. Eles começaram a ser investigados em abril deste ano, mas a apuração foi intensificada após a morte do traficante Marcelo Batista dos Santos, o Marreno, um dos líderes do BDM, ocorrida no dia 9 de agosto.

De acordo com a polícia, Marreno era líder da facção criminosa, com atuação em diversas regiões da Bahia. Ele pertencia à mesma organização em que atuava o grupo preso nesta sexta. A morte do traficante ainda provoca mudanças na rotina de alguns bairros de Salvador. Nesta sexta-feira (18), em Capelinha de São Caetano, os ônibus deixaram de circular durante algumas horas, depois de veículos serem pichados com o nome de Marreno. Rodoviários foram ameaçados. O serviço voltou à normalidade no começou da noite.

O diretor do Draco afirmou que o objetivo da operação foi fragilizar a quadrilha através da apreensão de armas, drogas e dinheiro. “O grande foco do trabalho, além da questão da apreensão de armas e drogas, foi buscar retirar desse grupo criminoso o potencial financeiro, porque isso também impacta na compra e aquisição de novas drogas e armas. Já estava sendo feito um trabalho pela equipe da polícia em focar no patrimônio desses indivíduos. O estopim foi a situação de Marreno, mas a investigação estava sendo realizada há alguns meses”, afirmou. (Correio)