CANDIDATOS DISCUTEM PROPOSTAS, MAS CONTINUAM COM ATAQUES EM 3º DEBATE NA TV
  • 444
  • 0
  • 20/10/2014 
  • Redação
Como em uma luta de boxe, os dois pugilistas usaram as pimeiras perguntas para estudar o ânimo do adversário

Como em uma luta de boxe, os dois pugilistas usaram as primeiras perguntas para estudar o ânimo do adversário

 

O confronto entre Dilma e Aécio na noite do domingo (19) começou morno. Principalmente se levado em conta os ataques diretos que marcaram os dois últimos embates entre os candidatos a presidente do Brasil. Como em uma luta de boxe, os dois pugilistas usaram as pimeiras perguntas para estudar o ânimo do adversário.

Como os primeiros minutos são os de maior audiência, estes movimentos também visavam a ser um complemento do horário gratuito com a apresentação de realizações e autoelogios. A primeira pergunta foi feita pela petista, que usou seus 45 segundos para divulgar os benefícios da nova lei que criou o Supersimples, voltada para micro e pequenas empresas.

Aécio rememorou o nascimento do Simples no governo de Fernando Henrique Cardoso (PSDB) e, na sua primeira pergunta, desferiu o primeiro direto, questionando onde o governo dela tinha falhado para justificar o aumento dos homicídios.

A petista respondeu com números, indicando o crescimento dos investimentos federais na área em relação ao governo tucano. E contragolpeou, citando o Mapa da Violência, documento que indica crescimento de homicídios em Minas Gerais quando o estado foi gerido por seu oponente.(Fonte:  Correio)