ESTUDOS MOSTRAM AUMENTO DA OCORRÊNCIA DO CÂNCER COLORRETAL
  • 204
  • 0
  • 23/03/2019 
  • redacao

Um estudo da Sociedade Americana de Oncologia com mais de 490 mil indivíduos demonstrou uma ocorrência duas vezes maior de câncer colorretal (intestino) entre os pacientes de 20 a 29 anos, e também em pessoas entre 40 e 54 anos, nas quais o aumento foi de 0,5 a 1,3%, por ano, quando comparado ao início da década de 1980. No Brasil, dados recentes do Instituto Nacional do Câncer (INCA) revelaram a mesma tendência dos indicadores americanos.

Os resultados foram tão relevantes que a Sociedade Americana de Oncologia desde o ano passado definiu que, a partir dos 45 anos, todos os indivíduos devem ser submetidos a exames para prevenção do câncer colorretal. No

 

Dia Nacional de Combate ao Câncer de Intestino, 27 de março, a oncologista Pâmela Almeida que integra o grupo de oncologistas especializados em tumores gastrointestinais da Clínica AMO, destaca a importância da realização da colonoscopia para a remoção preventiva dos adenomas pré-malignos.

 “Contudo, pacientes que possuem histórico familiar devem conversar com seus médicos para a realização de uma colonoscopia dez anos antes, ou seja, se a mãe foi diagnosticada aos 52 anos, o filho deverá realizar sua primeira colonoscopia aos 42 anos e sempre que houver indicação médica por sintomas suspeitos (sangramento nas fezes, anemia, perda de peso diarréia ou constipação) independente da idade”, explica a especialista.

Da mesma forma, todo paciente com diagnóstico de câncer colorretal deve ser submetido a um teste de imunohistoquímica que avalia proteínas presentes no tumor e concluiu sobre a presença de mutações que podem configurar a Síndrome de Lynch – síndrome  que promove uma predisposição hereditária a uma série de tipos de câncer, mas especialmente de cólon, do endométrio e do útero.

Pâmela Almeida também destaca a importância de se adotar hábitos saudáveis para prevenir o câncer. “Não fumar, ingerir bebidas alcoólicas com moderação, fazer atividades físicas regularmente, adotar uma dieta saudável rica em vegetais, frutas, legumes e evitar o consumo diário de carne vermelha e alimentos processados, além de se manter com o peso ideal são hábitos que impactam na redução da ocorrência do câncer colorretal”, destacou a oncologista.

Ocorrência – Em todo o mundo, o câncer colorretal é o segundo mais comum diagnosticado em mulheres e o terceiro mais comum em homens, sendo responsável por mais de 5,4 mortes a cada 100 mil pessoas em 2018, de acordo com a Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer. Nos Estados Unidos, a doença é a segunda principal causa de morte por câncer e é responsável por 8,3% dos óbitos por câncer em geral.

De acordo com dados do Inca, para o Brasil, estimam-se 17.380 casos novos de câncer de cólon e reto em homens e 18.980 em mulheres para cada ano do biênio 2018-2019. Esses valores correspondem a um risco estimado de 16,83 casos novos a cada 100 mil homens e 17,90 para cada 100 mil mulheres. Este é o terceiro tipo de câncer mais frequente em homens e o segundo entre as mulheres.