VEREADOR QUE TEM FILHO GAY, ACUSA COLEGA DE “TRAUMA SEXUAL”
  • 425
  • 0
  • 12/06/2015 
  • Redação
A temperatura na Câmara esquentou

A temperatura na Câmara esquentou

A mais polemica sessão ordinária da câmara de vereadores de Ilhéus foi protagonizada durante a tarde da última quarta (10), no plenário do legislativo municipal. A sessão transcorria de forma tranquila e era presidida pelo vereador Roque do SESP, em função da ausência do presidente Tarcísio dos Santos Paixão, quando um debate polemico e tumultuado aconteceu. O vereador Alzimário Belmonte Vieira, que integra a bancada evangélica do parlamento ilheense, proferiu um discurso informando que prestigiou, ao lado de autoridades eclesiásticas, a audiência pública que debateu o plano municipal de educação. Gurita externou preocupação quanto á interferência do estado na educação de crianças e adolescentes no que diz respeito á orientação sexual. O vereador Gilmar Sodré, do PMN, afirmou ser contra a igualdade de gêneros e polemizou ao declarar que, se as coisas continuarem seguindo os rumos atuais, meninos e meninas devem dividir o mesmo banheiro, fato que classificou como absurdo. O vereador Ivo Evangelista, em apoio ao vereador Gurita, afirmou que, como evangélico e membro da igreja Universal do Reino de Deus, não concorda com o fato de quererem ensinar as crianças brasileiras que é normal ser homossexual. O vereador Alisson Mendonça, do PT, se irritou e afirmou que a atual formação da câmara de vereadores de Ilhéus é conservadora, fato que classificou como triste e lamentável. Alisson foi aparteado pelo vereador Rolland Lavigne, que tornou público aspectos de sua vida pessoal: De acordo com Rolland, ele possui um filho homossexual, que declara respeitar e amar como pai. Mesmo sendo pai de um homossexual, Rolland citou obras de psiquiatras e psicólogos renomados que afirmam que, no íntimo, os homossexuais se sentem incomodados em função de sua opção sexual, e que considera errado ensinar aos jovens que é normal gostar de pessoas do mesmo sexo. Rolland afirma ainda que jamais ensinou isso ao seu filho, mas que ainda assim, respeita a escolha de seu descendente. Alisson Mendonça considerou o discurso de Rolland homofóbico e comparou o parlamentar ao famoso pastor evangélico brasileiro Silas Malafaia, que, na visão de Alisson, é intolerante. Rolland Lavigne, por sua vez, afirmou que Alisson possui “traumas” em relação ao tema, fato que irritou o vereador do PT, que declarou não ser homossexual e afirmou que, se fosse, não haveria problema algum, pois os gays devem ser respeitados pela sociedade. Durante o debate, alguns parlamentares afirmaram que é possível que existam vereadores “encubados”, que deveriam “se liberar” e assumir sua homossexualidade. Ao que se percebe, a votação do plano municipal de educação e o debate a respeito da intervenção do estado na educação de crianças e jovens no que diz respeito á orientação sexual deve fazer tremer as bases do parlamento ilheense. (Blog do Chico Andrade)