SUL DA BAHIA: BARRAGEM DE REJEITOS DA MIRABELA,COLOCA EM RISCO POPULAÇÃO DO BAIXO VALE DO RIO DAS CONTAS
  • 33.693
  • 5
  • 26/11/2015 
  • redacao
Ocomplexo de mineração Santa Rita da Mirabela, em Itagibá, está classificada como C, o mesmo da barragem que rompeu em Mariana -MG e matou o Rio Doce

Ocomplexo de mineração Santa Rita da Mirabela, em Itagibá, está classificada como C, o mesmo da barragem que rompeu em Mariana -MG e matou o Rio Doce

A ativista ambiental e diretora do Instituto Nossa Ilhéus, Socorro Mendonça, afirmou, em seu perfil no Facebook, que a população da região sul da Bahia, deve sim ficar bastante preocupada ante o risco de contaminação com resíduos tóxicos provenientes de uma barragem de rejeitos de mineração.

Só que, afirma ela, não trata-se da lama tóxica da mineradora Samarco, e sim, da Mirabela, que extrai níquel na região entre Ipiaú e Itagibá, e mantém por lá uma barragem de rejeitos de mineração, a cerca de 1km de distância do rio de Contas.

De acordo com Socorro, em 2014, o Departamento Nacional de Produção Mineral fez uma análise de risco das barragens de mineração no Brasil, e concluiu que o complexo de mineração Santa Rita da Mirabela, em Itagibá, está classificada como C – risco moderado. Essa, afirma Socorro, é a mesma classificação da barragem que rompeu em Mariana-MG e matou o rio Doce.

“Caso essa barragem se rompa, como aconteceu em Mariana-MG, nosso rio e nosso litoral estariam condenados”, alerta a ativista.

Socorro ainda afirma que, desde 2011, a ONG de Ipiaú, Papamel, denuncia que a Mirabela não estava cumprindo as condicionantes impostas para operação da mina de níquel, a maior da América Latina.

Temendo uma tragédia ambiental com proporções devastadoras para a região, alguns setores da sociedade civil de Itacaré, município onde o rio de Contas desemboca, e localidade que seria totalmente atingida com o rompimento da barragem da Mirabela, já está se mobilizando vias redes sociais (Veja aqui!), alertando a população da região e de todo o estado, e cobrando ações urgentes e imediatas por parte dos poderes políticos locais. “Mariana pode ser aqui, caso não lutemos”, enfatiza Socorro. (Ilhéus 24h)


  1. Anderson Francisco Cunha Borges disse:

    Como Geólogo atuante na área de Geotecnia. O processo
    Das barragens dessas mineradoras não seguem critérios
    Geotécnico nenhum. Nossos órgãos fiscalizadores além
    Ineficientes principalmente DNPM totalmente sucateado
    Seguem antigas ” lições” de um código de mineração
    Totalmente defasado. Fica o alerta para os ativistas.
    Não esperem nada desses órgãos. O pronunciamento.do presidente da Vale do Rio Doce é semelhante o de Pilatos
    Ou de alguém que não sabia de Nada. A palavra de ordem é
    MOBILIZAÇÃO JÁ.

    • Marcos Vieira disse:

      Prezado Anderson.

      Concordo com vosso pronunciamento. Também atuo na área, ja prestei serviços pra algumas mineradoras “multinacionais” e o monitoramento dos taludes e na propria barragens, eram feitos por piezometros (eletricos e Ina’s) tais equipamentos tem o objetivo preciso de informar as pressões, presença de agua etc nos taludes.
      Porque isso não é obrigatório para todas? Será que os orgão fiscalizadores não conhecem tais tecnologias?

  2. Maria de Lourdes dos Santos disse:

    Será que vão deixar acontecer pra consertar?

  3. rose campos disse:

    vamos nos mobilizar,exigir das autoridades responsaveis, pelas fiscalizações, vamos cobrar do Presidente

  4. Maria do Carmo Correia disse:

    Existe outra barragem de rejeitos da mineradora VANÁDIO com a mesma proporção de riscos ambientais no município de Maracás, colocando a vida de todos nós dos municípios do vale do RIO DE CONTAS em riscos e que contamos com o abastecimento de água e sobrevivência com a mesma, e que a destruição pode ser ainda mais catastrófica destruindo desde a barragem de Pedras. Fica o alerta as autoridades competentes e ambientais. Pedimos providência antes que seja tarde demais.