GOVERNO CONFIRMA QUE A BAHIA ESTÁ FORA DO HORÁRIO DE VERÃO
  • 1.335
  • 0
  • 09/10/2014 
  • redacao
Juliana Brito e agências

Juliana Brito e agências

O governo da Bahia mais uma vez manterá o estado fora do horário brasileiro de verão, que tem início no próximo dia 19 de outubro. A informação é da assessoria de comunicação do governo baiano. A medida vai de encontro ao desejo de pelo menos três federações do estado: Federação do Comércio de Bens, Serviço e Turismo (Fecomércio-BA), Federação da Agricultura e Pecuária (Faeb) e Federação das Indústrias (Fieb), que, em conjunto, enviaram uma carta ao governador pedindo a adesão ao horário.

As federações apontaram como razões a sincronia com os estados do Sul e Sudeste, importantes parceiros comerciais; melhoria na segurança; e impulso ao desempenho dos setores de turismo, lazer, comércio e serviços. A reportagem tentou contato com os presidentes das federações, mas não obteve êxito.

Na avaliação do presidente do Conselho Regional de Economia (Corecon-BA), Gustavo Pessoti, que já fez cálculos tanto do impacto do horário de verão no PIB estadual quanto da relação dele com a economia energética, a mudança não possui impacto nas atividades econômicas da Bahia nem na redução do consumo energético, sendo o seu efeito mais “psicológico”. Pessoti acredita que a decisão do governo tem motivação, também, na desaprovação da população baiana ao horário.

Mas, apesar de refutar os argumentos apresentados pelas federações, o economista concorda que há benefícios para o turismo local, embora ressalte que o horário de verão é incapaz de gerar uma mudança radical no comportamento do consumidor. “A Bahia é, naturalmente, um estado turístico e isso prolonga o verão. Há pequenas situações que levam ao consumo, e os bares e restaurantes se beneficiam disso”, avalia.

Bares e restaurantes

O presidente da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes da Bahia (Abrasel), Luiz Henrique Amaral, afirma que o alinhamento com os outros estados, inseridos no horário de verão, é positivo para o turismo baiano.

Ele acredita que a adoção do horário faria a diferença em um ano de crescimento quase nulo para o setor de bares e restaurantes. Em todo o estado são 30 mil estabelecimentos, seis mil deles na capital.

“É difícil mensurar esse quadro, mas podemos falar em um crescimento no faturamento de 8% a 10% se isso ocorresse. Seria um número determinante para o crescimento deste ano. Esperamos crescer, no máximo, 1%, isto é, descontada a inflação”, diz.
Em 2013, esse percentual ficou acima de 4% e em 2012, chegou próximo a 10%.

Economia

O horário de verão terá início no dia 19 nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste. Até 22 de fevereiro, os relógios deverão ser adiantados em uma hora em dez estados e no Distrito Federal. A expectativa do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) é diminuir o consumo de energia.

De acordo com registros do ONS, com uma hora a mais de luz natural, a demanda no horário de pico diminui 2.065 MW no subsistema Sudeste/Centro-Oeste e 630 MW no subsistema Sul, correspondendo a uma redução de 4,6% e 5,0%, respectivamente.

No ano passado, a adoção do horário especial permitiu economia de R$ 400 milhões. Segundo a Empresa Brasil de Comunicação (EBC), neste ano São Paulo, Rio, Espírito Santo, Minas, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e o Distrito Federal adiantarão os relógios em uma hora.

Carnaval

Desde 2008, o horário de verão no país começa no terceiro domingo de outubro e termina no terceiro domingo de fevereiro. A exceção ocorre quando o terceiro domingo de fevereiro coincide com o Carnaval – nesse caso, o horário de verão termina no quarto domingo de fevereiro.