O HOSPITAL DE UBAITABA, A VERGONHA MUNICIPAL E A SOLUÇÃO!
  • 1.895
  • 6
  • 18/01/2018 
  • Redação

Por Hugo Henrique R. de Almeida*

Há muito tempo que falamos aqui da situação lastimável que acomete o hospital de Ubaitaba. Muitas vidas foram ceifadas durante todo esse tempo de inoperância numa tragédia anunciada, que inexorável aos esforços dos cidadãos de bem foi corroendo como um câncer a atenção secundária, tornando desmoralizada e hedionda, o que antes já chegou a ser referência regional.

Falamos hoje de uma “doença crônica” muito bem estabelecida pelas entranhas da negligência política, administrativa e social, tolerada pela sociedade civil organizada e pelo próprio governo municipal, com dois prognósticos bem definidos: Para a “alta classe da cidade” a doença tem tratamento paliativo – os serviços de saúde da rede particular de Itabuna ou Salvador – pelo menos enquanto não for urgência ou emergência. Já para os pobres coitados é uma doença terminal, com alta taxa de morte ou seqüela.

Com uma administração de fachada, o hospital mantém suas portas abertas apenas para forjar serviços não prestados, que são vendidos ao SUS como se tivessem sido oferecidos à população, ou seja, nas fichas de informação são registrados internamentos, medicamentos, equipamentos e procedimentos que nunca existiram, apenas para alocar dinheiro público quando que na realidade, bastar precisar de atendimento médico que da porta mesmo se ouve: “não tem médico!” Ou quando raramente tem plantonista: “não tem seringa, não tem agulha, não tem dipirona!” Não se admire, assistimos a tudo isso calados, sempre jogando a sujeira para debaixo do tapete: a prefeitura finge que não é com ela, a alta classe faz o tratamento paliativo e o pobre… Morre!

Mas após a passeata em favor do hospital em 2011, após as audiências públicas realizadas pelos clubes de serviço, após as denúncias na imprensa, após a morte de inocentes e mediante a passividade do Ministério Público, percebo que é mais fácil seguirmos outro caminho que tentar abrir essa “caixa de pandora…” Já ouviram falar em UPA – Unidade de Pronto Atendimento? Pois é, não é uma coisa nova, nem algo de outro mundo, a cidade vizinha de Itacaré acaba de ser agraciada com uma destas pelo Governo do Estado.

As UPAs funcionam 24 horas por dia, sete dias por semana e podem resolver grande parte das urgências e emergências, como casos de hipertensão e febre alta, fraturas, cortes, infarto e derrame. Com isso, ajudam a diminuir as filas nos prontos-socorros dos hospitais. A UPA inova ao oferecer estrutura simplificada, com Raio-X, eletrocardiografia, pediatria, laboratório de exames e leitos de observação. Nas localidades que contam com UPA, 97% dos casos são solucionados na própria unidade. Quando o usuário chega às unidades, os médicos prestam socorro, controlam o problema e detalham o diagnóstico. Eles analisam se é necessário encaminhar a um hospital ou mantê-lo em observação por 24 horas.

O próprio governador Rui Costa em discurso recente durante inauguração do Hospital Costa do Cacau em Ilhéus se mostrou bastante solicito em direcionar recursos para construção de Unidades de Saúde na região cacaueira, desde que os gestores enviem seus projetos e busquem esses recursos na capital. Foi isso que fez o prefeito Antônio de Anísio e com certeza, o numero de encaminhamentos de pacientes à Ilhéus diminuirá vertiginosamente na cidade de Itacaré.

A criação de uma UPA em Ubaitaba é o tão esperado tratamento! Matará célula por célula maligna, sufocará essa doença que tomou o hospital, reabilitará o doente e resolverá o problema, principalmente da população pobre… Até o local ideal já existe – na antiga Cesta do Povo podendo, inclusive, ser agregada ao antigo posto do centro que enfrenta uma reforma inacabada.

Agora prefeita, a bola tem dono! É do governo municipal! Use suas armas, acione seus deputados, vá até o governador, mas lute por isso. Você tem a chance e mudar historicamente a saúde de Ubaitaba e consolidar de vez o seu legado. Agora só depende você!

Hugo Henrique Ribeiro de Almeida – Interno do 6º ano do Curso de Medicina da Universidade Estadual de Santa Cruz- UESC.


  1. olga tannus simões disse:

    verdade, a saúde de Ubaitaba está na UTI fazem 15 anos, tempo q resido aqui, e uns e outros ficando ricos e desfrutando de médicos particulares, enquanto o pobre fica sem atendimento e morre

    • Lourivana Quirino dos Silva disse:

      Verdade , já presenciei o descaso , levei minha vó que Deus o tenha , para um atendimento e nem um exame simples como de urina não foi feito . Minha vó teve que se deslocar para casa e aguardo o proximo dia , ir até um laboratório particular para fazer o exame . Porém depois de um tempo a mesmo foi para o mesmo ser )” Enterna ficou da própria família providenciar uma ambulância , foi transferia para Itabuna só para não morrer dentro do hospital , mas veio a óbito no caminho . Algo precisa ser feito se a saúde está ruim no Brasil em Ubaitaba está em estado de calamidade pública . Meu sobrinho precisou de um pediatra foi atendido por minha mãe ter conhecimento com a elite de

  2. Lourivana Quirino dos Silva disse:

    Esse descaso vem á mais de 15 anos . Pois tenho 33 anos e quando estava com 15 anos precisei de atendimento , cheguei desmaiada no hospital e a Médica não aparecia para vim examinar , minha mãe questionou a enfermeira falou que a mesma tinha tomado medicamento para dor de cabeça e estava aguardando para vim atender . Então não vamos colocar culpa na crise econômica . É descaso púplico .

  3. Lembro-me da inauguração deste hospital era uma referencia na região e hoje chegar esta situação, difícil entender ñ sei se condição financeira ou inresponsabilidade dos Gestores.

  4. Elson Ramos disse:

    Tudo que Hugo disse parece chover no molhado, pois como ele mesmo disse, o hospital agoniza há décadas trazendo prejuízo ao erário público, desconforto a quem precisa , choro e dor às famílias enlutadas, mas boa vida aos que movimentam os milhares de reais ali enviados. É triste, mas é verdade.

  5. Rita disse:

    Seria bom se a população se juntasse mais uma vez para cobrar da prefeita uma unidade de saúde capaz de sanar as necessidades da população. Onde há luta, há conquistas, não seria diferente se alguma autoridade lutasse para desfazer essa tristeza que é o hospital de Ubaitaba.
    Parabéns, Hugo, pela crítica.