SUSPEITO DE 15 HOMICÍDIO, VALETE DE PAUS DO BARALHOS DO CRIME OSTENTAVA VIDA DE LUXO; BENS ACUMULAM CERCA R$ 1 MILHÃO
  • 606
  • 0
  • 05/03/2018 
  • redacao

Carros e apartamento de luxo, passeios caros e um orçamento de cerca de um milhão de reais por mês. Assim vivia João Cleison Mota Carvalho, de 32 anos, conhecido como Didi, desde quando fugiu do Complexo Penitenciário da Mata Escura, em abril de 2017. Preso na madrugada do último sábado (3), na cidade de Maceió, em Alagoas, Didi é apontado como um dos líderes de uma facção criminosa e estampava a carta ‘Valete de Paus’ do Baralho do Crime da Secretaria de Segurança Pública (SSP-BA).

 

Preso em 2013 por roubos, Didi passou a atuar no tráfico de drogas depois que entrou no presídio. “Dentro da cadeia ele conheceu várias pessoas integradas à facção Bonde do Maluco. Depois disso o tráfico de drogas passou a ser o braço forte financeiro dele. Após fugir da cadeia em 2017, ele deu uma ordem geral em Ribeira do Pombal: “ou os criminosos se uniam a ele ou seriam mortos. Foi ai que iniciaram os homicídios principalmente na região de Ribeira do Pombal”, explicou o delegado. João é um dos 25 detentos que fugiram pelo teto da Unidade Especial Disciplinar (UED) do Complexo da Mata Escura, em abril do ano passado.

De acordo com o delegado Flávio Góis, diretor do Departamento de Polícia do Interior (Depin), João Cleison é suspeito de praticar assaltos a bancos, explosões de caixas eletrônicos, tráfico de drogas, além do envolvimento em pelo menos 15 homicídios em várias cidades da Bahia. “O ponto base dele é Ribeira do Pombal, mas nós temos informações de que ele age em homicídios e tráfico de drogas em Feira de Santana a Paulo Afonso”, disse. Além dessas cidades Didi também atuava no crime nos municípios de Olindina, Nova Soure, Cícero Dantas, Tucano e Euclides da Cunha.

Ainda segundo o delegado, a prisão do “Valete de Paus” ocorreu após a morte e prisão de dois criminosos, integrantes de facções rivais de Didi. “Nós recebemos informações de que o Didi estava confrontando com dois homens de facções rivais a dele. Um dos líderes da ‘Caveira’, que é o ‘Bactéria’, que foi morto em dezembro do ano passado em confronto com policiais militares, e o outro líder da ‘Katiara’, o ‘Maiquinho’, foi preso em Paulo Afonso e transferido para o presídio de Serrinha”, contou.