BIOGRAFIA REVELA QUE MARISA DESCONFIAVA DA FIDELIDADE DE LULA E CHEGOU A COGITAR DIVÓRCIO
  • 149
  • 0
  • 08/02/2020 
  • redacao

 

Por: Heinrich Aikawa/ Instituto Lula

A ex-primeira-dama Marisa Letícia seria uma mulher atormentada pelo ciúme que sentia do marido Luiz Inácio Lula da Silva, e frequentemente desconfiada do companheiro. É o que revela a biografia “Marisa Letícia Lula da Silva”, escrita pelo jornalista Camilo Vannuchi, que borda a vida da esposa do ex-presidente petista – morta aos 66 anos, vítima de um AVC.

A publicação, de acordo com o jornal Folha de São Paulo, revela uma série de episódios controversos da vida do casal. Vannuchi descreve que, ainda no início do casamento, Marisa destruiu um disco do cantor Raul Seixas que o marido havia levado para casa. Lula, na ocasião, disse que um amigo havia emprestado o álbum, mas ela não acreditou.

Em outra ocasião ela se irritou ao ver uma foto de Lula sendo beijado por uma militante. O jornalista diz que conforme Lula ganhava destaque no noticiário, a desconfiança de Marisa cresceu. Certa vez a ex-primeira dama cogitou se divorciar de Lula após o marido chegar em cada de madrugada após pegar carona com uma jovem.

“Dias depois, Marisa entrou sozinha no escritório de um advogado de sua confiança”, diz Camilo. O defensor, contudo, recusou o caso. Disse que não trabalhava com separação e a desencorajou Marisa de seguir com a ideia.

O livro também revela que a esposa de Lula acreditava que o marido a traia com uma funcionária da Presidência da República chamada Rosemary Noronha. Em 2012, uma operação da Polícia Federal apontou que Noronha havia se aproveitado do cargo para fazer negócios particulares. A denúncia também ventilava a hipótese de ela ser amante do petista.

O autor do livro salienta, contudo que a ex-primeira-dama nunca se manifestou sobre o episódio – uma vez que o jornalista não teve a oportunidade de entrevistar Marisa. Ela não chegou a conceder a primeira entrevista para o projeto em virtude da morte da biografada. O jornalista entrevistou Lula, seus filhos e uma centena de outras pessoas para escrever o livro.