O QUE OS GOVERNANTES DEVERIAM FAZER, PARA MINORAR A SAÚDE DA POPULAÇÃO (Por: Heraldo Santana (*)
  • 514
  • 0
  • 15/04/2020 
  • redacao

 

Assim como em todo Brasil, vivenciamos algo sem precedentes, na história do país e de muitas cidades, no mundo inteiro, que estão sofrendo as consequências da pandemia.

Prefeituras de nossa região, tipicamente turísticas, não vão suportar o impacto dessa crise que vem afetando, tanto a saúde, quanto a já abalada economia.

Na saúde, nenhuma cidade tem infraestrutura suficiente para enfrentar o Corona viris. Faltam leitos, respiradores e outros insumos necessários a enfrentar a pandemia que chegam as nossas portas.

Na economia, qual empresário tem suporte suficiente para suportar tamanho tempo de paralisação e o pior, as consequências serão o inevitável desemprego brutal, onde famílias ficarão desestruturadas financeiramente, quando não terão a mínima condição  de condição de sobreviver.

O governo federal fez a parte dele, com iniciativa da Câmara de Deputados, de conceder Auxílio Emergencial, mas, poucos governantes estão atentos a essa parte social, quando estudantes são afetados, sem a merenda escolar. Ocorre que, com a suspensão das aulas, os alunos, especialmente, os oriundos da zona rural, que chegavam de barriga vazia, não estejam tendo a devida atenção dos gestores municipais, muito embora estes recursos, estejam sendo recebidos, pelas prefeituras.

 O que deveria ser feito nessa situação? O governantes municipais deveriam mobilizar suas equipes da infraestrutura, educação, ação social e saúde, para verificarem “in loco”, a situação dessas famílias. Como estão sobrevivendo no aspecto alimentação? Como estão os alunos, que se alimentavam da merenda escolar?

Sabemos que, o governo federal está enviando recursos para os municípios, no combate ao COVID 19, entretanto, sabemos que existem gestores inescrupulosos que, utilizam essas verbas em proveito próprio.

Queremos, exaltar o trabalho dos prefeito(as) de Itajuípe, Itacaré, Ubaitaba, Aurelino Leal, dentre outros, que tiveram o cuidado de se precaverem, da entrada de indivíduos contaminados pelo novo vírus, o que não foi o caso, da cidade de Uruçuca, comandada pelo prefeito Moacyr Batista de Souza Leite Júnior que, numa extrema letargia, só veio a tomar providências de alguma ação, depois que terceiros se mobilizaram para estancar a incidência, preocupante, de infectados no município.

Temos conhecimento que vários municípios tiveram a preocupação de acionar suas equipes para barreira sanitária e Uruçuca, apesar de já ter ocorrido uma morte, só veio a tomar providências, há dois dias atrás, mesmo assim, com os acessos livres à noite e madrugada.

Vamos aguardar que nossos governantes tenham a devida sensibilidade e respeitem a saúde dos seus cidadãos.

(*)- Heraldo Santana- Colaborador e Correspondente em Uruçuca  do jornal tribuna da Região.